Depressão: o que é?

Muitas doenças físicas, como viroses, podem causar sintomas depressivos. Por isso, o primeiro passo para o diagnóstico é fazer um exame físico. Entenda o que é depressão e saiba como diagnosticar um caso.

Além disso, a depressão pode ser caracterizada em diversos tipos. Logo, não existe apenas uma doença e sim um distúrbio físico-emocional que se desdobra em vários quadros. Veja mais sobre isso no decorrer do artigo.

Depressão: que é?

Depressão é uma doença com consequências físicas, emocionais e psicológicas. Por isso, uma pessoa depressiva não pode escolher ficar bem e curar o transtorno. Como qualquer enfermidade é preciso tratar e acompanhar para que não haja uma nova incidência.

A depressão pode ser confundida com tristeza ou o desânimo por uma situação complicada. Porém, quando se trata de um quadro clínico, a pessoa permanece triste por muitas semanas ou até meses. Quando a apatia dura mais de 2 semanas é um alerta que pode indicar uma crise depressiva.

Depressão: quais são os sinais?

A doença apresenta diversos sinais que podem ser vistos tanto no corpo quanto na forma que a pessoa age. Veja alguns sintomas que indicam uma crise depressiva:

  • Tristeza prolongada;
  • Falta de interesse por coisas que gostava antes;
  • Baixa energia;
  • Problemas para manter a concentração;
  • Dúvidas ao tomar decisões;
  • Distúrbios do sono (dormir muitas horas ou não dormir); 
  • Problemas estomacais;
  • Má digestão;
  • Desânimo;
  • Pessimismo;
  • Falta de interesse sexual;
  • Dores no corpo;
  • Distúrbios de apetite (comer exageradamente ou não comer);
  • Mudanças bruscas no peso (engordando ou emagrecendo rápido);
  • Desejo de suicídio;
  • Pensamentos frequentes em morte;
  • Mutilação.

Depressão: quais são os tipos?

Existem muitos tipos de distúrbios depressivos. Os mais comuns são:

  • Episódios depressivos: Dura até 6 meses e é caracterizado por uma mudança comportamental.

 

  • Transtorno Depressivo Maior: Ocorre por mais de 6 meses e provoca uma mudança na química cerebral.

 

  • Distimia: é um caso crônico da depressão durando 2 anos ou mais.

 

  • Depressão Bipolar: além dos momentos depressivos, a pessoa também tem fases de euforia extrema.

  • Depressão Atípica: a pessoa depressiva apresenta cansaço, falta de energia, tem muito sono e apatia.

  • Depressão pós-parto: devido à alteração hormonal e de vida, as novas mães podem apresentar a doença.

  • Depressão Psicótica: um tipo de depressão grave com delírios e alucinações.

  • Depressão sazonal: crises depressivas a partir da estação, como o inverno ou festas de final de ano.

Depressão: como diagnosticar?

Para fazer o diagnóstico da depressão, em primeiro lugar são feitos exames físicos para saber se o organismo da pessoa está funcionando corretamente.

Nesse momento, apresentar o histórico da família ao médico é muito importante. Quando há caso de depressão com parentes próximos, existe uma disponibilidade genética para a doença.

Caso não sejam encontradas enfermidades e o paciente apresentar grande parte dos sinais depressivos, o especialista iniciará o tratamento para depressão adequado, que incluem: uso de antidepressivos e consultas com o psicólogo.

Depressão: o que fazer?

Ao saber o que é depressão, fica mais fácil saber a diferença entre a doença e um momento de tristeza. Ao suspeitar que se tem a doença, surge a dúvida sobre o que fazer.

Se acha que está em uma crise depressiva ou que alguém próximo tem o distúrbio, visite um clínico geral. Ele passará exames de rotina para avaliar a condição clínica da pessoa. Se nada for identificado, o médico indicará a visita a um psiquiatra ou o acompanhamento com o psicólogo.

Depressão é uma doença como qualquer outra, por isso, não tenha vergonha de buscar uma forma de melhorar. Para ajudar em seu tratamento, uma grande dica é utilizar um suplemento natural contra a depressão.

O suplemento não tem efeitos adversos e ajuda a ter mais ânimo, porque regula a produção de serotonina, o hormônio do bem-estar. Faça o teste!  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *